• Catarina Correia

Quando o coração atrapalha…

A medicina chinesa vê o coração como o assento das emoções. Ele tem uma relação de íntima com o funcionamento da mente (Shen) e do útero (Bao).


É ele que permite a união do ovócito com o espermatozoide, falamos do eixo entre os ovários e o hipotálamo (na medicina convencional refere-se ao eixo hipotálamo-hipófise-ovários). Sabemos que para algo funcionar no nosso corpo, precisamos de orientação da mente. A ovulação só ocorre se este eixo se comunicar e por isso é muito importante esta questão. Não basta ter uma boa reserva ovárica se o Shen não solicitar o amadurecimento folicular ou a libertação dos gâmetas, acabará por ser pouco eficiente em termos de fertilidade.


Então se o coração estiver bloqueado por distúrbios emocionais, o Chi (energia vital) não consegue fluir e o útero acaba por ficar afetado.


Com isto eu não quero dizer que: “se relaxares vais engravidar”. Não é assim, é necessária toda uma comunicação interna para que todas as funções se concretizem corretamente. Se existir um bloqueio a outro nível, ou até uma alteração física que impossibilite uma conceção espontânea, é óbvio que é necessária uma correção também a esses níveis, mas, a verdade é que quando temos o coração-mente a nosso favor, as coisas tornam-se mais fáceis.



E antes que me perguntem como podem trabalhar esta questão, deixo-vos algumas sugestões:


· Acupuntura (óbvio que teria de mencionar a acupuntura! Se conhecem o meu trabalho sabem perfeitamente do que a acupuntura e a medicina chinesa são capazes);


· Meditação (existe uma imensidão de técnicas de relaxamento para entrares em estado meditativo, tenta perceber com qual te identificas mais. Se estiveres totalmente à toa nesta área e quiseres saber mais sobre meditação sugiro que leias o livro “O poder da Meditação” da querida Rute Caldeira);




· Pintura criativa (se não és muito de pegar num pincel e começares a desenhar e pintar uma tela em branco, sugiro-te pintares uma mandala, por exemplo. A concentração e o foco na pintura farão com que as tuas ondas cerebrais baixem e consigas “esvaziar” mais facilmente a tua mente. A maravilhosa Cíntia Borges – Mandalas Sagradas, desenvolveu um trabalho lindíssimo com mandalas, vê o trabalho dela);


· Escrita terapêutica (normalmente recomendo a escrita terapêutica como forma de transmutar algumas emoções menos interessantes. Pacientes que estejam no percurso da infertilidade há muito tempo, pacientes com abortos de repetição ou até FIVs malsucedidas, esta é uma forma de trabalharem essas emoções que muitas vezes são avassaladoras. Podes simplesmente escrever um papel com tudo o que estás a sentir e rasgar, ou podes fazer uma espécie de diário, quem sabe se quando o teu positivo chegar não se converte num lindo livro de uma história real);


· Hipnoterapia (cada vez estou mais apaixonada pela hipnoterapia para a fertilidade. É um mundo! E eu, tenho a sorte de poder trabalhar com a Sílvia Carvalho – especialista em hipnoterapia para fertilidade, parto e pós-parto. São vários os casos que reencaminho, pois, os benefícios são inúmeros).


Ressalvo que é necessária uma intervenção geral e que precisas de uma avaliação médica e terapêutica, de preferência multidisciplinar, para que consigas equilibrar o teu corpo de forma a alcançares a tão desejada gravidez.






#fertilidade #infertilidade #emocoes #fiv #psicologia #meditação #pintura #pma #hipnoterapia #catarinacorreiamtc #ccclinica

30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo